16 janeiro 2012

Patrícia e os livros

Como toda criança que está aprendendo a ler, minhas primeiras leituras foram os gibis e os livros infantis. Na verdade, quando se está entrando no mundo das letras queremos ler tudo: de outdoors a embalagens (rs).
Na época de escola eu lia aqueles livros indicados pelos professores e tínhamos a “prova do livro” por semestre. Geralmente os professores indicavam os livros daquela coleção Vagalume e apesar de ser obrigada a ler, gostei de muitos daqueles livros, os que mais me marcaram foram: “Um Leão em Família”, “O Escaravelho do Diabo” e "O Pequeno Príncipe"

O Ensino Médio foi uma época meio obscura pra mim. Eu não gostava de ter que ler aqueles clássicos da Literatura Brasileira por obrigação. Então, enquanto meus colegas estavam lendo “Iracema” ou “Dom Casmurro”, eu estava lendo O Senhor dos Anéis, As Flores do Mal, Noite na Taverna, aliás, Álvares de Azevedo foi o único autor que me interessei a ler porque não foi exigida uma leitura sobre ele. Sim, eu era do contra (rs).
Outro dia, a Eni, Michelle e eu estávamos conversando sobre isso em um dos nossos encontros: porque a falta de interesse dos adolescentes para aqueles clássicos que éramos obrigadas a ler? A resposta foi unânime: a linguagem e a complexidade das obras.
Eu não estava preparada para ler Machado de Assis, Guimarães Rosa entre outros da nossa literatura porque minha mente não estava madura o suficiente. Ler por ler? Pra quê?
Então qualquer livro diferente, fantasioso e de linguagem mais simples nos chamam mais atenção quando somos mais novos...
Depois que terminei o colégio comecei a ler os grandes escritores, clássicos universais como Dostoiévski, Goethe, Balzac, Eça de Queiroz, Fernando Pessoa... etc.
E como eu também gosto de História, os romances históricos ficções ou não ficções chamaram cada vez mais minha atenção.
Hoje, eu leio os clássicos porque quero e não porque sou obrigada a ler. E acho que estou preparada para ler qualquer tipo de livro e é por isso que me sinto bem neste pequeno clube do livro, onde posso dividir e conhecer diversas obras e autores.
E não posso deixar de mostrar minha estante que apesar de pequena, tenho orgulho imenso dela e é bom saber que ela tem espaço ainda para muitos livros.