27 janeiro 2012

Resenha: Persépolis

Até 2008 meu conhecimento sobre quadrinhos se resumia às revistinhas da Mônica. Eis que minha amiga Jana me presenteia com Maus, livro maravilhoso em que Art Spiegelman nos conta como foi a vida de sua família (principalmente de seu pai) durante a Segunda Guerra Mundial. Depois disso, comecei a ler outras obras, como Ghost World (que teve uma ótima adaptação para o cinema). 

Seguindo mais uma indicação da Jana, comprei Persépolis. Marjane Satrapi nos mostra como foi sua infância e sua adolescência no Irã durante todos os conflitos que lá existiram, bem como as dificuldades que ela enfrentou quando morou durante 4 anos na Áustria. 

Em Persépolis temos diversos pontos interessantes, desde uma explicação do que aconteceu politicamente no Irã, até os anseios de uma garotinha revolucionária querendo mudar seu país. Além disso, também acompanhamos seu desenvolvimento enquanto ser humano, passando pela tristeza de perder pessoas queridas e também as costumeiras desilusões amorosas. 

Com bom humor, Marjane nos conta sua vida e também nos mostra uma realidade tão diferente da nossa, em que mulheres precisavam cobrir seus cabelos e casais não podiam nem ao menos andar de mãos dadas. É um ótimo livro e merece ser lido!

Persépolis também foi adaptado para o cinema.