26 março 2012

Leitura em Pauta: Feliz Ano Novo - por Patrícia

Ácido demais ou apenas realista? Quem sabe imaginativo? Bom, o fato é que os contos de Rubem Fonseca em Feliz Ano Novo deram muito pano para manga.
A Eni falou sobre o livro por aqui, e dou continuidade à discussão sobre este que foi nosso livro em pauta escolhido pela Eni.
Gostei da maioria dos contos do livro, mas vou destacar o conto “Nau Catrineta” em que um rapaz que foi criado somente por mulheres na família, segue um ritual tétrico: ao completar 21 anos de idade, o rapaz precisa comer carne humana oferecida como banquete para suas quatro tias.

“Tia Helena contou, animada, aventuras dos parentes que remontavam ao século XVI. Todos os primogênitos eram e são obrigatoriamente artistas e carnívoros e, sempre que possível, caçam, matam e comem a presa.”

A presa em questão não poderia ser mais fácil, a namorada do rapaz Ermelinda...
“Estou com medo, disse Ermê, não sei por que, mas estou com medo. Acho que é esta casa, ela é muito bonita mas é tão sombria!”

Daí em diante, já se pode imaginar o que pode acontecer no jantar macabro em que a inocente moça foi convidada...
“Com um gesto elegante levou a taça aos lábios e sorveu um pequeno gole...”.

Foi a primeira vez que li algo do Rubem Fonseca e a linguagem dele me cativou tanto que vou ler também “A Grande Arte” que é indicado no “1001Livros para Ler antes de Morrer” no qual vamos falar muito ainda aqui também.
Até mais.