26 setembro 2012

No mundo dos livros...


Na coluna “Ponto de Vista” da revista Filosofia nº 38 deste mês, a doutoranda em Ciências Sociais, Ana Paula Meyer Velloso comenta o livro de Eduardo Frieiro, Os livros nossos amigos, e analisa através das obras A Tempestade de Willian Shakespeare e D. Quixote de Cervantes a preocupação de que amantes dos livros e da leitura se afastem da realidade.

O gosto pela leitura pode nos afastar dos nossos afazeres profissionais e do convívio social?



“A Literatura, assim como toda forma de expressão artística, não nos afasta da realidade, como muitos creem de maneira simplista; ela é, acima de tudo, um exercício de imaginação e fruição estética, que nos concede uma liberdade interna que nos eleva e nos torna mais criativos”.

O livro de Frieiro relata vários casos de pessoas, aliás, pessoas importantes como o erudito escritor francês Pierre Daniel Huet que de bispo voltou a ser um simples abade por ter negligenciado seu trabalho em troca dos estudos e das suas leituras.

Pierre Daniel Huet 

Frieiro acrescenta um bom argumento a favor da leitura: “Contra a opinião, hoje muito corrente, dos que rebaixam a atividade literária ao nível das atividades comuns, erguem-se aqueles que vêem na literatura, como na arte em geral, um dos caminhos que conduzem a uma vida menos triste e árida. São numerosos os homens que perderiam todo interesse pela vida se alguma coisa os afastasse dos paraísos artificiais da literatura.

Escrever é uma morfina, ler é outra.Há homens com tal paixão por esse entorpecente, que talvez preferissem a morte ao verem-se privados da leitura”

(Os livros nossos amigos, página 43 - Eduardo Frieiro)



E para finalizar, transcrevo mais uma vez o comentário de Anna Paula Meyer e que concordo indubitavelmente:

“ A leitura assim como a arte são entendidas como fonte de liberdade interna, liberdade da alma, que traz tanta satisfação talvez por ser a única maneira possível de termos um tipo de liberdade e por isso tantas vezes somos levados e enfeitiçados pela arte, assim como pela leitura”.

Até a próxima!