05 outubro 2012

Livros e leitores

Acho que como muitos de vocês, eu também sou órfã da Revista Entrelivros. Eu a conheci em 2006, durante a faculdade e sempre que possível eu comprava uma edição. Infelizmente a revista não existe mais e eu ainda não encontrei uma substituta à altura, por isso estou sempre relendo as minhas.

Folheando a edição nº27, com Kafka na capa, me deparei com uma matéria intitulada "Decálogo do Leitor", falando das dez "regras" para todos aqueles que se consideram leitores. Gosto bastante dessa matéria, então resolvi compartilhar alguns trechos com vocês. 


IV - Perca menos tempo diante do computador, da televisão, dos jornais e crie um sistema de leitura, estabeleça metas. Se puder ler um livro por mês, dos 16 aos 75 anos, terá lido 720 livros. Se, no mês das férias, em vez de um, puder ler quatro, chegará nos 900. Com dois por mês, serão 1.440. À razão de um por semana, alcançará 3.120. Com a média ideal de três por semana, serão 9.360. É importante escolher bem o que você vai ler. 

VIII- Tente evitar a repetição dos mesmos gêneros, dos mesmos temas, dos mesmos estilos, dos mesmos autores. A grande literatura está espalhada por romances, contos, crônicas, poemas e peças de teatro. Nenhum gênero é, em tese, superior a outro. Não se preocupe, aliás, com o conceito de gênero: história, filosofia, etnologia, memórias, viagens, reportagem, divulgação científica, auto ajuda - tudo isso pode ser literatura. Um bom livro tem de ser inteligente, bem escrito e capaz de provocar alguma espécie de emoção.

X - Forme seu próprio cânone. Se não gostar de um clássico, não se sinta menos inteligente. Não se intimide quando um especialista diz que determinado autor é gênio, e que o livro do gênio é historicamente fundamental. O fato de uma obra ser ou não importante é problema que tange a crítica, talvez a escritores. Não leve nenhum deles a sério; não leve a literatura a sério; não leve a vida a sério. E faça seu próprio decálogo: neste momento, você será um leitor. 


Gosto bastante de fazer listas dos livros que li durante o ano. Nesse ano, já passei dos 60 e espero que esse número aumente bastante até dezembro. Uma ideia bacana para contribuir com o aumento de leituras é o auto-desafio que a Eni propôs

Quanto à repetição de gêneros, eu mesma estava presa a isso. Durante muito tempo só li Bukowski, os beats e alguns livros de terror. Recentemente voltei a ler poesia (falei disso aqui e aqui) e agora estou em busca de contos e crônicas. 

Não gostei de O Nome da Rosa e nem de O Perfume, livros considerados clássicos. Abandonei a leitura de O Vermelho e o Negro, porém O Morro dos Ventos Uivantes é um dos meus livros preferidos. Amo John Fante e confesso que não tenho muita paciência com Machado de Assis (mas ainda pretendo ler/reler diversas obras dele). Amo a saga de Harry Potter e recentemente me apaixonei por Jogos Vorazes. Crime e Castigo é um dos livros que mais me impressionaram. Livros completamente diferentes passaram pelas minhas mãos e cada um teve sua devida importância. Outros tantos ainda causarão boas e más impressões e assim eu formo meu cânone. 

Boas leituras a todos!