01 novembro 2012

A maior biblioteca do mundo na antiguidade

Pense em uma grande biblioteca, melhor: pense no maior centro cultural da humanidade. Este lugar existiu de verdade. Seu nome? Biblioteca de Alexandria. Era uma construção gigantesca, localizada no Egito. Seu acervo continha o maior volume de registros do conhecimento de uma das civilizações mais importantes do mundo, a grega. Conheça um pouco mais sobre essa maravilha de lugar.

Antiguidade
A Biblioteca de Alexandria foi uma das Sete Maravilhas do Mundo e, por séculos, a maior referência cultural da humanidade. Nunca, em toda a História, havia sido reunido em um só lugar tanto conhecimento. Podemos dizer que a Biblioteca de Alexandria, à sua época, estava para a Internet de hoje, porque reunia informações sobre tudo – ou quase tudo...
Mas, afinal, como era a tal biblioteca? E Alexandria era uma cidade grega que ficava no Egito? Como assim?
Essa história, que parece confusa, começou com as conquistas do general grego Alexandre (na verdade, ele era baixinho, mas ficou conhecido como “o grande” por seus feitos militares). O fato é que Alexandre, o Grande podia tudo, até fundar no Egito, no ano 332 antes da nossa Era, uma cidade grega. O nome Alexandria foi dado em homenagem adivinhe a quem?!
Rápido como um trovão, Alexandria se tornou a principal cidade do Mediterrâneo Oriental. O lugar tinha um belo porto seguro e ligava África, Ásia e Europa por meio do Mar Mediterrâneo e do Oceano Índico. Era, também, o porto perfeito para exploração das riquezas da Índia e da China.
Assim como Alexandre, todos os governantes da cidade eram gregos. Esses homens poderosos se tornaram grandes defensores da cultura e fundaram o maior espaço de reunião de conhecimento: a Biblioteca de Alexandria!

"The Great Library of Alexandria" por O. Von Corven
Século XIX
Livros? Quem disse?
Na verdade, a Biblioteca de Alexandria não era do jeito como conhecemos as bibliotecas de hoje. Não era um lugar para se guardar livros porque, naquela época, o conhecimento era registrados em rolos e a consulta a esses rolos não era fácil! Imagine como era trabalhoso ir e vir na leitura para recapitular informações?!
A biblioteca tinha, sim, o seu acervo, mas estava mais para um centro cultural. Os maiores intelectuais da época iam para lá trocar ideias, além de artistas e todos os interessados nas novidades.
Essa função de centro cultural permaneceu como destaque, mas, em paralelo, o acervo da instituição também crescia, assim como a fama e o sucesso do lugar.
Por cerca de 200 anos, a Biblioteca de Alexandria foi a maior referência de cultura do mundo. Lá estavam as obras dos matemáticos gregos – os mesmos que deram origem à disciplina que estudamos até hoje – com seus teoremas e cálculos. Foi lá também que Eratóstenes, importante cientista da história, que era geógrafo e matemático, foi capaz de calcular o diâmetro da Terra. Ele errou por pouco e seu erro só foi verificado no século 20!
Havia de tudo na maior biblioteca do mundo, onde grandes filósofos gregos, poetas, historiadores, entre outros estudiosos, matavam a curiosidade de todos que a visitavam.

O fim?
Pela Biblioteca de Alexandria passaram gerações e gerações, apesar de o local ter sido destruído algumas vezes por inúmeras guerras, especialmente as que se davam entre as civilizações grega e romana pela disputa pelo poder. Quer um exemplo? O famoso imperador romano Júlio César, mesmo sem querer, foi um dos que colocaram a biblioteca abaixo. Mas ele reconheceu o erro e a importância do lugar para a humanidade e reconstruiu a biblioteca.
Durante o domínio romano, a biblioteca continuou sendo o maior centro cultural do mundo, até a ascensão do Cristianismo e do Islamismo. Os adeptos dessas duas religiões, que na época brigavam pelo território de Alexandria, tinham dificuldade em aceitar as ideias modernas de obras ali armazenadas e o clima de liberdade de discussão e o pensamento que, por séculos, caracterizou a Biblioteca. Com isso, seu conteúdo foi, aos poucos, eliminado, até desaparecer na Idade Média. Mas sua riqueza cultural foi preservada na memória dos historiadores, que relatavam o ocorrido, falavam da importância do lugar e o quanto de conhecimento ele proporcionou.

Parte da fachada da antiga Biblioteca de Alexandria
Biblioteca aberta
Quem visitava a Biblioteca de Alexandria podia levar obras para serem copiadas em outros lugares. Com isso, muito conhecimento foi espalhado mundo afora. A maneira como ela funcionava foi inspiradora para os fundadores das universidades medievais, na Europa, modelo que deu origem às universidades que conhecemos hoje. Pelo mundo árabe, grandes armazéns foram criados para guardar textos e para reunir estudiosos, tudo com base na biblioteca do Egito.

E por falar em Egito, sua localização não poderia ser também deixada de lado. Como ligava vários continentes, ela foi o maior empreendimento de informação global, antes da época atual, perdendo apenas para a internet hoje em dia. Podemos arriscar que, na sua época, a Biblioteca tinha um alcance até maior. Afinal, hoje temos tantas línguas e culturas diferentes que talvez não seja mais possível um saber universal, em uma só língua, como era o grego na Idade Antiga. Por tudo isso, a Biblioteca de Alexandria foi, segundo um dos maiores historiadores do mundo, o grego Heródoto: “Mais uma dádiva do Nilo, preciosa e inigualável!” 

Raquel dos Santos Funari, Colégio Santo Américo e Departamento de História, Universidade Estadual de Campinas.

A nova Biblioteca de Alexandria

Sabia que uma nova Biblioteca de Alexandria foi construída no mesmo lugar da antiga? A ideia foi de arquitetos noruegueses, que começaram a pensar na construção em 1974. Mas somente em 2002, ela estava pronta para ser aberta ao público. O financiamento veio de uma parceria entre a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), e o governo egípcio. Assim como a antiga, a nova biblioteca abriga um volume de conhecimento incomensurável! Há milhões de livros e mais de 200 salas para estudos. Veja mais detalhes da página Bibalex.org 
 

A nova Biblioteca de Alexandria, por fora,
às margens do Mar Mediterrâneo
A nova Biblioteca de Alexandria, por dentro

Fonte: Revista Ciência Hoje das Crianças / Ano 25 / No 234 / Maio de 2012

E falando em grandes bibliotecas, aqui no Dose já falamos sobre a Biblioteca do Congresso nos EUA que atualmente é a maior biblioteca do mundo moderno.

Addendum: Documentário "A Biblioteca de Alexandria"



Neste vídeo o astrônomo e um dos meus escritores favoritos de sci-fi Carl Sagan, em uma pequena parte da sua aclamada série COSMOS, nos explica que foi aqui que a jornada da ciência começou de forma sistemática no ocidente. Estima-se que a Biblioteca tenha armazenado mais de 400.000 rolos de papiro, podendo ter chegado a 1.000.000 nos seus 700 anos de existência.