15 dezembro 2012

Livros, palavras e vozes: Conheça o projeto de leitura coletiva da Igreja do Livro Transformador

No filme Além da Vida (Hereafter, 2010, direção de Clint Eastwood), o personagem George - vivido na trama por Matt Damon - é um cara atormentado pelo dom mediúnico de falar com os mortos. O sujeito não consegue levar uma vida normal, se acha uma aberração e vê tudo ao seu redor esvanecendo aos poucos. Seu único conforto são as leituras que escuta das obras do autor inglês Charles Dickens, feita por um senhor que empresta sua voz aos personagens.

Hereafter (2010)
Solitário e logo depois desempregado, George procura consolo nas narrativas do seu autor preferido, gastando o seu FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) em uma viagem à Londres para conhecer de perto o lugar onde Dickens viveu e criou suas histórias, transformado em museu. De quebra, ainda escuta o autor dos audiobooks em uma palestra presencial, já que estava rolando uma espécie de Bienal do livro por lá. Essa parte do filme me tocou bastante, pois me senti perto daquele médium esquecido por si mesmo e cuja sorrateira distração era escutar alguém dando vida às histórias que povoavam sua imaginação.

Quantas vezes me peguei pensando em como seria escutar Jane Austen fazendo uma leitura pública de Orgulho e Preconceito, ou ainda Emily Dickinson lendo seus poemas sibilantes. Também imaginei Emily Brönte defendendo com a voz o coitado do Heathcliff; Arthur Conan Doyle (o qual tive o imenso prazer de assistir, quase em estado de transe, em uma entrevista raríssima) dando vida a Sherlock Holmes e ainda os meus queridos Machado de Assis, José de Alencar e Eça de Queiroz fazendo voar seus personagens - no primeiro e último caso, emblemáticos, e na situação de Alencar, burgueses afrancesados e românticos. 

Elizabeth Bennet, protagonista de Orgulho e Preconceito.
Desejos à parte, tenho me contentado em escutar trechos de obras lidos por gente de toda parte do país. E, claro, soltar a franga (opa, a voz) e compartilhar meus fragmentos preferidos. A ideia de juntar trechos dos mais diversos livros lidos por diferentes pessoas veio da redatora e co-criadora do site cultural interrogAção e também colaborada do Dose Literária, Emanuela Siqueira. 

Manu, como é chamada carinhosamente, diz que não tem como falar de onde surgiu a ideia desse projeto sem falar da Igreja do Livro Transformador em si. "A ideia é original do Luiz Ruffato, que além de escritor é um grande amigo! Em 2010 eu estava escrevendo a minha monografia sobre o "Eles eram muitos cavalos" [livro de Ruffato] e tentava manter contato com o Luiz. Ele esteve em Curitiba para Bienal do livro e na época eu não morava aqui, mas o Daniel (que faz o interrogAção comigo) gravou a mesa que se chamava "Literatura: Um ato de resistência" com Luiz Ruffato e a Elvira Vigna. Num dado momento da conversa, o Luiz fala que para ele, os livros mudaram a vida de forma definitiva e que deveria existir uma "Igreja do Livro Transformador" onde as pessoas falariam das sua fé nos livros, nos milagres que eles operam e etc. Nossa, eu morri.....decidi que precisava fazer algo com aquilo", revela Manu.

Em 2011, Manu, que é redatora, veio para Curitiba e o Luiz Ruffato marcou presença no projeto "Um escritor na Biblioteca", ministrando uma oficina. "Então, eu me reuni com o Daniel e com um rapaz que trabalha com produção de vídeo e decidimos filmar o Ruffato falando sobre a Igreja do Livro e convidando as pessoas para filmarem seus depoimentos e colocar no youtube", lembra Manu.
Emanuela Siqueira (Manu)
A partir desse momento as coisas começaram a andar. Manu lembra que ela e os companheiros passaram "uma manhã sensacional gravando e conversando com o Luiz, material que resultou no vídeo de abertura do site http://igrejadolivro.com.br/. As pessoas adotaram MESMO a ideia, criei uma comunidade no facebook e em duas semanas já tínhamos cerca de mil 'fiéis' e bem, o Luiz é um escritor conhecido no mundo todo e aí já viu", enfatiza. 

Mas não termina por aí, pois a equipe começou a filmar depoimentos de escritores, jornalistas, formadores de opinião, poetas, professores, publicitários e leitores, expandindo a rede. Decidiram, então, criar sites, artes e um espaço virtual para todas as manifestações. Segundo a redatora, a maior dificuldade é conseguir os equipamentos de filmagem e pessoas que colaborem na edição.

"Bom, vendo que editar os vídeos estava um pouco difícil, comecei a pensar outros meios de continuar incentivando a leitura através de outras mídias e que continuasse sendo algo um pouco inusitado. Aí veio a ideia de usar o soundcloud a nosso favor! Pensando que nos festivais literários americanos, ingleses e pelo mundo afora os escritores fazem leituras de seus livros (aqui na FLIP também tem isso) pensei que poderia ser super bacana leitores lendo trechos "transformadores" incentivando o ouvinte a ler também! E funcionou! A Igreja do Livro Transformador busca usar mecanismos que as pessoas costumam achar 'alienadores' em favor da leitura e do conhecimento. Youtube, áudio, fotografia....bibliotecas em shoppings centers (vide um projeto que temos num shopping daqui de Curitiba). Acredito que as pessoas não precisem necessariamente se isolarem do mundo para obter conhecimento (apesar de ser uma adepta do isolamento) e que tudo muda seu significado conforme o uso", defende Manu.

Manu e a Igreja do Livro Transformador
Ela também alimenta a crença no poder dos livros, no poder do conhecimento. "Acho principalmente que o livro deve ser um objeto comum na vida das pessoas e o ato de ler tão fundamental quanto dormir, comer, beber e etc. Por isso, acho que a ideia de ter vários leitores lendo trechos que gostam e repassando isso, é o motor que engrena uma corrente de conhecimento, de trocas, de experiências culturais", finaliza.

Apesar de recente, o projeto de leituras coletivas já possui adeptos, incluindo esta que vos escreve. Já emprestei minha voz para trechos de obras de Machado de Assis, Jack Kerouac e Bret Easton Ellis. E é só o começo. No último dia 10, a Manu fez um extenso mutirão nas redes sociais para captar vozes para leitura das obras de Clarice Lispector. Vem muita coisa boa por aí. Enquanto isso, você pode ouvir os trechos disponíveis no soundcloud da Igreja do Livro Transformador clicando aqui e a homenagem especial para a Clarice aqui.

Clarice Lispector completaria 92 anos no dia 10

Plus

Conheça mais sobre a Igreja nesta entrevista concedida por Emanuela Siqueira (Manu) no programa Sem Censura:

Clique aqui.

Ouça autores famosos lendo trechos de suas obras e, por favor, fique calmo(a)! rs.

Jack Kerouac

Clique aqui.

Charles Bukowski

Clique aqui.

J.K Rowling

Clique aqui.

Chico Buarque

Clique aqui.