06 dezembro 2012

Sobre Histórias de Fadas – J. R. R. Tolkien [7 livros em 7 dias]

Fãs da trilogia “O Senhor dos Anéis” e do escritor de tal epopeia talvez já tenham ouvido falar sobre esse pequeno livro de 118 páginas, que é composto por um ensaio e um conto, mas do que o livro fala exatamente e o porquê de ele não ser tão difundido e conhecido como os demais “O Hobbit”e “O Silmarillion” é que talvez não se saiba, pois é sobre ele que venho falar-lhes.

História e crítica, Editora Conrad - 118 páginas
Primeiramente, tudo o que é relacionado ao mundo tolkiano eu sempre vou amar, então quando encontrei esse livro na Bienal do Livro de SP este ano, tive que trazer. A capa desta edição lançada pela Conrad é um luxo à parte, verde e dourado, já enchem os olhos de beleza antes mesmo de folheá-lo. O desenho da capa Árvore e Folha, desenhada pelo próprio Tolkien, está relacionada ao conto, Folha por Niggle.
Na nota introdutória, o autor explica que o livro (ao que ele chama de “subcriação”) pode ser considerado interessante, em especial por aqueles a quem O Senhor dos Anéis deu algum prazer, porque tanto o ensaio Sobre história de fadas quanto o conto Folha por Niggle foram ambos criados enquanto a saga do anel estava em desenvolvimento, porém, por se tratar de um conteúdo que não está ligado diretamente ao tema da trilogia, tornou-se um livro à parte.

Sobre histórias de fadas abrange um estudo sobre contos de fadas num geral, em que Tolkien amplia seu conhecimento a respeito do "Belo Reino" (fair land) e durante pesquisas, leituras e constatações, adquire total autonomia para dizer o que são e o que não são “contos de fadas” propriamente ditos.
Ele cita diversos contos do mundo afora, alguns conhecidos na nossa infância por serem mais difundidos no mundo ocidental, outros somente conhecidos nas regiões em que são contadas, enfim, é um estudo bastante abrangente e de maior interesse àqueles que de fato apreciam o assunto, pois acredito que, para aquele que espera uma história épica de aventura, a leitura se tornará um pouco arrastada, por se tratar de um ensaio e principalmente devido ao número de notas de roda-pé, que confesso, me causaram enfado a certa altura, pois quebram muito o ritmo da leitura.

J. R. R. Tolkien (1892-1973)
Folha por Niggle é um conto em que o personagem principal é um homenzinho que, segundo a descrição do autor, muito se assemelha ao seu “herói” favorito, Bilbo Bolseiro, o pequeno hobbit.
Niggle vive sozinho em sua casa num vilarejo de poucos habitantes, sendo assim, são poucos os moradores próximos, o que para ele é uma vantagem, pois o mesmo está a se dedicar à pintura de um painel que exige toda a sua atenção e concentração, mas, ainda assim é interrompido constantemente pelo vizinho, sr. Parish, e o homenzinho - entre um paragrafo e outro - tem a impressão de que a tal folha da pintura que ele tanto toca e retoca, jamais será finalizada devido a essas interrupções.
Prestes a realizar uma viagem, Niggle acaba cedendo aos incansáveis e numerosos pedidos de favor de Parish, não por benevolência, mas para logo se ver livre do homem.
Até que, durante a realização de um desses favores, Niggle toma uma forte chuva e adoece, e apesar de todo o esforço que o homenzinho faz ao vizinho, mal é agradecido ou retribuído, até que chega, enfim, o dia de partir para sua viagem.
É nesse ponto que o conto ganha o tom enevoado de um sonho, após Niggle partir em um trem, o seu destino é um lugar desconhecido, sua pousada, segundo as descrições, está mais para um hospital em que ele não chega a ter contato direto com outras pessoas, mas ouve e conversa somente com vozes, o final é poético, com um tom de “moral da história”, e acho que cada leitor tem sua visão individual, sua opinião pessoal a respeito da conclusão, achei lindo! Pelo menos para mim, teve um significado quase transcendental, porque refleti muito depois que finalizei a leitura.

Me surpreendi com este livro, não fazia ideia do que esperar antes de ler-o, e hoje se tornou um dos meus adorados. Para quem é fã, vale a pena.

Este livro esteve no meu auto-desafio [7 livros em 7 dias].