18 janeiro 2013

O Bigode (Emmanuel Carrère)

Como comentei neste post, o Dose Literária tem um novo parceiro, o Morandi Livros. O primeiro livro enviado pelo livreiro Márcio foi O Bigode de Emmanuel Carrère. Eu nunca tinha lido nada do autor, então a expectativa era grande. Emmanuel Carrère nasceu em Paris em 1957. Ele ficou bastante conhecido após o lançamento do livro Je suis vivant et vous êtes morts, uma biografia ficcional de Philip K. Dick. Carrère também tem trabalhos no cinema e ele foi responsável pela adaptação de seu próprio livro, O Bigode, para as telas.
O Bigode começa quando um homem, durante o banho, resolve tirar o bigode. Após uma longa descrição da cena, ele fica ansioso esperando a chegada da esposa, pois gostaria de ver qual seria sua reação ao vê-lo com o rosto "limpo", após tantos anos usando o bigode. Para sua surpresa, ao chegar em casa, a esposa não repara (ou finge não reparar?) e age naturalmente, como se nada tivesse mudado. Ele começa a pensar que a esposa está brincando com ele, que não comentou nada apenas por diversão, até que ele encontra amigos que também aparentemente não notaram mudança alguma.


A partir daí começa um clima tenso, que em certas partes se torna engraçado. Ele começa a pensar em como sua esposa era dissimulada em alguns casos, que poderia estar mentindo, apenas para se divertir. Ele também acha que ela conversou com os amigos e conhecidos, para que nenhum comente a mudança. O personagem entra num espiral de loucura, repensando diversos fatos de sua vida e começa a coletar provas de que realmente tinha um bigode. De todas as formas, ele quer provar que não está ficando louco. 

Em determinado momento, ele coloca em cheque a sanidade de sua esposa, para logo depois entender a sua situação e aceitar se consultar com um psiquiatra. Porém, no momento em que iria se consultar, ele resolve fugir, deixa tudo para trás e embarca no primeiro avião. Chega afinal em Hong Kong, se hospeda num hotel e passa seus dias numa balsa, repensando tudo que aconteceu.
Não é um livro fácil, o tom cômico rapidamente se torna tenso e o leitor é sugado pela loucura do personagem. Li determinadas resenhas que este livro seria uma resposta moderna à escrita de Kafka. Obviamente é algo aquém à obra kafkiana, mas não deixa de possuir o mesmo tom de questionamento e "insanidade". É uma leitura intensa e original, dentro de suas inspirações. 

Gostou do enredo? Gostaria de ler a obra? Então basta preencher o formulário abaixo, ter endereço no Brasil e concorrer ao sorteio do livro, que acontecerá no dia 08/02.



Boa sorte!

Obrigada ao Márcio Morandi pelo envio do livro para sorteio.