As intermitências da morte - 2

Quando a Michelle falou aqui sobre o livro As Intermitências da Morte, de José Saramago, eu comentei: "José Saramago está no top 10 dos que quero ler". Isso foi há exatamente um ano. Em maio, eu havia lido o "Ensaio Sobre a Cegueira" e fiquei apaixonada. Então uma amiga me emprestou diversos livros dele em "português de Portugal", e eu decidi ler o Intermitências primeiro.



Intermitência. s.f.
A palavra intermititência significa intercalação;

Estado físico (febre intermitente (é aquela que vai-e-volta)).

Como a própria Mi falou em seu post, nesse livro Saramago explora as possibilidades de como seria a vida em um país em que ninguém morre. De repente, ao invés de comemorar e pular de felicidade, os habitantes daquele país se vêem em meio ao caos social e político, com uma população de velhos e moribundos, descrito de forma impecável pelo autor. 

O que eu não sabia a respeito deste livro - e foi isso o que me levou a fazer este segundo post -, é que há uma segunda parte onde a morte se pronuncia perante os homens e decide voltar a fazer seu trabalho (daí o nome intermitências), mas que, dentre todos aqueles que ela leva consigo, há um que não morre. 

O restante do livro é a procura da morte por esse violoncelista, um homem solitário com seu cachorro, a conhecer sua vida reclusa e seus hábitos, e a pensar em uma forma de conseguir levá-lo, afinal, é seu trabalho. Ela então entra na vida dele e, apesar da leitura cansativa do início do livro, essa parte é que faz tudo valer a pena. O que pode ser maior que a morte?


Leiam esse livro! E quem já leu, comenta aqui, vamos falar sobre ele! :)


Comentários

  1. Também me apaixonei por Saramago quando li O Ensaio sobre a Cegueira...pra mim ele ainda vai entrar pros clássicos...desde então venho tentando ler outras obras dele. Esse ai quero ler logo.

    ResponderExcluir
  2. Sou suspeita para falar se Saramago, amo demais!
    Esse livro é muito bom, lembro que na época eu ficava pensando "putz, por mais que a gente não queira, precisamos mesmo morrer" eu nunca tinha pensado nas questões daquele jeito.
    No momento estou lendo "A viagem do elefante", e, ah, recomendo "Levantado do chão" com todas as minhas forças!

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li, mas muito me interessa, o tema principalmente.

    ResponderExcluir
  4. "Não há nada no mundo mais nu do que um esqueleto"
    Uma das frases que mais gosto de Saramago, e que mostra o tipo de leitura que irão encontrar nos livros dele.. de uma forma divertida, numa mistura de humor e amargura, o Prêmio Nobel da Literatura aborda os mais variados temas convencionais. Para alguns temas complexos (como Ensaio sobre a Lucidez - livro totalmente politico) ou até mesmo, como o Intermitências, um assunto discutido por muitos e também almejado, que é a "vida eterna".
    Posso dizer que depois de lerem os livros deste grande escritor, muitos irão ver algumas questões do nosso cotidiano diferentes de agora, podem até ficar relutantes em mudar de opinião, mas que a pulguinha atrás da orelha fica, há isso fica.
    Fiquei fascinada por Intermitências da Morte, onde a morte para por um tempo - magoada com os humanos por odiarem-na - em uma certa cidade, de fazer seu "trabalho". A princípio todos amam essa ideia "não mais morte", no entanto, no decorrer dos anos, ela se revela mais cruel que a própria morte. Asilos lotados, pessoas moribundas lotam os hospitais, o terror começa a alastrar a cidade; pessoas buscam constantemente a morte e sem exito ficam a merce de uma longa vida sem vida. Além dessa crise crônica, o lado politico, religioso e financeiro para alguns - como os donos de funerárias e seguradoras - estão afetados.
    No fim, a própria "ossuda" - como é descrita a morte - é o personagem principal, quando enfim volta aos seus afazeres há alguém, um homem, que recusa a aceitar, por assim dizer, sua ordem. Então, ela resolve ir pessoalmente, na forma de uma mulher, dar a sentença.
    Essa segunda parte da história é a mais envolvente e incrível, principalmente por algo inimaginável, onde a morte e o homem se apaixonam.

    Quem melhor que Saramago poderia ter essa impressionante ideia, relatar nesse incrível romance, que essa nossa realidade é benéfica e essencial.
    O amor entre a morte e o homem e a sua própria interrupção de seus trabalhos, mostra aos leitores uma outra visão da então "odiada' por todos.

    Vale a pena ler os livros de José de Saramago.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bem vindo(a) ao Dose Literária.
Agradecemos seu comentário e tentaremos responde-lo assim que possível ;)