04 março 2013

Semana da Mulher - Jane Eyre



Comprovando, mais uma vez, que o tempo voa, já estamos na primeira semana de março, ou seja, a Semana da Mulher! No ano passado falamos de autoras incríveis, e nesse ano não podíamos deixar uma data tão especial passar em branco, portanto, cada uma escolheu uma personagem para cada dia dessa semana linda! Eu escolhi Jane Eyre.

Jane Eyre é definitivamente um dos melhores romances que já li, e uma das personagens mais marcantes da literatura inglesa. Seguindo o gênero bildungsroman (romance que acompanha o desenvolvimento moral, físico, psicológico, espiritual, etc, da personagem), o livro nos permite acompanhar o crescimento e amadurecimento de Jane e, por esse motivo (e vários outros), acredito que ela merece um lugar na Semana da Mulher

Preparem-se para os spoilers!

Jane Eyre é, sem dúvida, uma personagem sofredora. Órfã, Jane mora com sua horrível tia, Sarah Reed. Sarah a detesta, a maltrata e muitas vezes proíbe suas filhas, Georgina e Eliza, de interagirem com Jane.  A única amiga que tinha era uma criada, Bessie, e ela também não era uma mar de rosas. Num dia, como castigo, Jane é trancada dentro do quarto vermelho (da dor de E.L. James), local onde seu tio faleceu. Lá algo que eu não vou contar acontece, e depois desse evento a Sra. Reed manda Jane para a Escola Lowood.

A vida da pobre garota não melhora muito dentro de um novo cenário. A escola é precária, as garotas comem pouco e mal, suas roupas são finas e algumas adoecem e padecem de tuberculose. Porém, desse mau algo bom surge, benfeitores ajudam a renovar a escola, e Jane fica por lá, acaba virando professora e só sai para aceitar o cargo de governanta em Thornfield Hall

Lá ela conhece Sr. Rochester, e é então que tudo que aprendeu com o sofrimento é testado. Eyre se apaixona por seu empregador, mas algumas circunstâncias os impede de viver legalmente como marido e mulher. Ela é forçada a escolher entre o amor que sente por Rochester e seus princípios.

Além dessa ocasião em particular, em outro momento do livro Jane tem a opção de dividir uma grande quantia de dinheiro com pessoas importantes que a ajudaram ou ficar com tudo para si, sem se importar com os outros. 

Hmm, qual dos dois devo seguir?

O motivo pelo qual amo Jane Eyre é que ela não se trai. Apesar de todas as situações adversas da sua vida, quando se encontra numa encruzilhada entre o mais fácil e cruel, e o mais difícil e honesto, ela sempre escolhe a última opção (spoiler!). 

Uma mulher decidida, de opinião formada, não permite que nada nem ninguém a influencie a ponto dela deixar de ser quem ela é e acreditar no que acredita. Isso demonstra uma força interior invejável, além de muita maturidade. Se é já difícil ser assim atualmente, imagine numa época onde mulheres não eram valorizadas, especialmente as que ficavam sem marido por muito tempo (ou para sempre). 

Enfim, tenho apenas elogios para essa personagem e para esse livro. Espero que tenham gostado do post, pessoal! Por hoje é só e até a próxima. 

Por: Gaby