11 março 2013

Sobre Esperança e Perseverança - J.K. Rowling

Hoje quero falar um pouco sobre uma das minhas autoras favoritas, a linda J.K. Rowling! Não sei se vocês conhecem a história dela muito bem, mas ela passou por vários maus bocados antes de se tornar a escritora famosa que é hoje. Além de nos inspirar com seus personagens e histórias, a vida dela é uma inspiração, pelo menos para mim.



Rowling sempre amou escrever. Prolífica desde pequena, adorava histórias fantásticas, uma adoração que ela deixou bem clara na saga Harry Potter. Porém, Joanne não teve uma infância tranquila como muitos imaginam. Sua relação com o pai era tensa, e sua mãe, que ela tanto amava, sofria de esclerose múltipla. Para sua sorte, J.K. tinha uma irmã que a apoiava, Diane. 

Nossa querida escritora cresceu, namorou e se mudou com o namorado para Manchester, e foi nessa viagem de 4 horas que Harry Potter "apareceu" para ela. Apareceu, sim, pois Joanne afirma que a história - pronta - simplesmente começou a fluir na sua mente.

 "I really don't know where the idea came from. It started with Harry, then all these characters and situations came flooding into my head."
Entretanto, nem tudo seria um mar de rosas para Rowling. Em dezembro do mesmo ano em que começou a escrever sobre o bruxo sua mãe faleceu. Tomada pela dor e buscando uma saída, Rowling se mudou para Portugal, onde trabalhou como professora de inglês.

Lá ela conheceu Jorge Arantes, um jornalista, e eles se casaram. Após sofrer um aborto espontâneo, Joanne dá à luz a sua primogênita, Jessica. Tudo parecia ir bem, só que não. Especula-se que ela sofria de abuso do marido, mas ninguém sabe o quão violento ele era. Numa entrevista para o tabloide The Daily Express, Arantes afirmou tê-la arrastado para fora da casa deles às cinco da manhã e dado um forte tapa na cara de sua mulher. 

O final do casamento dos dois foi tão terrível que Rowling obteve uma medida cautelar contra Arantes, e só então pediu o divórcio. Após o fim de uma união instável, Rowling se mudou para a Escócia, assim poderia ficar perto de sua irmã. Contudo, ela não pôde começar a trabalhar como professora logo que chegou no país, pois precisava de um diploma diferente, e levaria um ano para consegui-lo.

Sem emprego, sem dinheiro, vivendo da ajuda do governo ("as poor as it is possible to be in modern Britain, without being homeless"), com uma filha pequena dependendo dela, Rowling entrou em depressão e contemplou o suicídio. Nas palavras dela, ela era o maior fracasso que já conhecera até então.

Porém, nem tudo estava perdido, 
 I was set free, because my greatest fear had been realized, and I was still alive, and I still had a daughter whom I adored, and I had an old typewriter, and a big idea. And so rock bottom became a solid foundation on which I rebuilt my life.


Nessa citação Rowling diz que atingir o fundo do poço havia a libertado. Seus maiores medos haviam se concretizado, e ela ainda estava viva, com uma filha que amava, tinha uma velha máquina de escrever e uma grande ideia. Transformou o fundo do poço no alicerce de uma nova vida.

Finalmente, Rowling conseguiu terminar Harry Potter. Escreveu por um ano em cafeterias, enquanto fazia seu curso para poder dar aula e tentava sustentar sua filha só com o dinheiro que recebia do governo. Entretanto, novamente a dificuldade veio, dessa vez para sua mais brilhante criação, Harry Potter. Nenhuma editora queria publicá-lo, pois diziam que era longo demais para um livro infantil.

Para vocês terem uma noção da dificuldade que foi publicar o primeiro livro, Rowling não tinha dinheiro para tirar cópias do manuscrito, ou seja, cada cópia que ia para uma editora era digitada a mão. Se ela tinha que enviar o manuscrito para 10 editoras, ela redigitava o livro 10 vezes.


Só vou perder uns dedos, nada demais.
Depois de muitas rejeições, o manuscrito chegou nas mãos de Nigel Newton, diretor da Bloomsbury Publishing. Demonstrando seu intelecto superior,  Newton teve a brilhante ideia de dar o livro para uma criança ler, mais especificamente, sua filha de oito anos. A menina devorou o livro em algumas horas, e foi então que a Bloomsbury decidiu publicá-lo, mais de 7 anos depois da viagem de trem na qual a ideia de Harry Potter surgiu. SETE ANOS!

Hoje J.K. Rowling é a autora mais rica de todos os tempos, e a única autora bilionária. Seus livros são fenomenais, e apesar da criançada ser o público alvo, muitos adultos se apaixonaram pela história do bruxinho. Eu, por exemplo, cresci com Harry Potter. Essa saga para mim faz parte da minha vida, da minha família, pois me ensinou a lidar com várias dificuldades pessoais ao longo da minha adolescência. 

Graças a J.K. Rowling eu amo ler, foi por querer ler os seus livros na língua original que me dediquei tanto a aprender inglês, e hoje sou tradutora. Vai saber o que seria de mim se não tivesse ganhado Harry Potter e a Pedra Filosofal de presente há mais de uma década. Talvez eu não estaria aqui hoje, fazendo esse post em homenagem a uma autora que literalmente mudou a minha vida. 

Além de me ajudar com seus livros, Rowling me ajudou contando a história de sua vida. Ajudou-me a ter esperança sempre, apesar das adversidades, a acreditar que perseverando eu chegarei lá, atingirei meus objetivos, se eu continuar me esforçando e nunca desistir. 


Muito obrigada, sua linda! 

Enfim, por hoje é só, pessoal! Espero que tenham gostado e deixem um comentário, se possível! Sabiam de tudo que escrevi? Sim, não? Gostam de Harry Potter? Morte Súbita? Contem para mim, por favor! 

Por: Gaby