26 abril 2013

Aquela que é pouco citada, mas é grande...

O post de hoje é uma contribuição da leitora e amiga Tamara Costa.

Possa ser que eu esteja enganada quanto a dizer que esta escritora é pouco citada...mas ao menos nos blogs e ambientes que visito na internet, raramente encontrei referências a ela e a sua obra. Isso sempre me entristeceu, porque, pra mim ela é sim uma das grandes escritoras brasileiras. Tão grande quanto Clarice Lispector e Caio Fernando de Abreu que estão sendo amplamente citados nas redes sociais, porém menos lembrada. Estou falando de Lygia Fagundes Telles, escritora Paulista, nascida em 1923.


Conheci a Lygia por volta dos meus 13/14 anos, na biblioteca do meu colégio. O primeiro livro que lembro de ter lido dela, foi o de contos chamado: Oito contos de amor. Depois de ler esse livro, me interessei demais pelos escritos dela e passei a buscar todos os seus livros. Nessa busca li várias coletâneas de contos: A Estrutura da Bolha de Sabão (que é o conto que dá o nome a esse livro) é um dos melhores contos que já li. Também mergulhei no Seminário dos Ratos, Pomba enamorada ou uma história de amor, Venha ver o por do sol (outro conto incrível). Até então eu só havia lido seus contos, mas já amava sua escrita e foi por causa dela que comecei a apreciar mais essas "histórias curtinhas". Alguns anos depois, já com uns 16 anos uma amiga comentou que havia lido um romance ótimo e me indicou porque disse que achava que eu iria gostar...e adivinha qual era o romance? Ciranda de Pedra. Quando eu olhei pra capa do livro e vi o nome dela lá em cima como autora, eu enlouqueci. Nunca tinha lido nenhum romance dela, então fiquei muito feliz de enfim poder começar. E posso dizer que...ainda bem que essa amiga me indicou esse livro, porque é um dos livros que mais gosto e um dos que mais reli (em algum outro momento farei uma resenha própria porque o livro merece). Mas posso dizer que ler esse livro me abriu a mente, porque eu senti um gosto enorme de lê-lo e me envolvi com a história e até hoje a Virgínia protagonista da história, é uma das minhas personagens inesquecíveis :)

Hilda Hilst e Lygia F. Telles
quando jovens... eram grandes amigas

Depois eu não parei mais... li todo livro dela que encontrava. E quando enfim, pude comprar meus próprios livros, comprei logo os quatros romances dela: As horas nuas, O Verão no aquário, As meninas e meu amado Ciranda de pedra. Comprei também a coletânia de contos: A estrutura da bolha de sabão e logo que puder vou comprando todos os outros, até ter minha coleção completa (ou ao menos os meus preferidos dela). Por fim... eu adoro a escrita da Lygia por ser direta mas ao mesmo tempo poética... é como se ela soubesse exatamente o que dizer, só que com as mais belas palavras que possam ser usadas. Seus personagens são muito bem construídos e por isso são únicos, quem lê seus livros sabe bem do que estou falando e quem não leu, já devia começar.

Essa é a capa da edição do 1º Ciranda de pedra que li
(Acho essa capa linda!)