06 junho 2013

Do real ao ficcional, romance histórico à bordo do Titanic

O naufrágio do transatlântico RMS Titanic em sua viagem inaugural ocorrido em 1912, foi uma das maiores e mais assustadoras tragédias marítimas da história, causadora de 1.517 mortes. Um século depois, Kate Alcott (pseudônimo da ex-jornalista Patricia O'Brien) lança A Costureira, com um enredo rico em descrições verídicas sobre a catástrofe, baseados em documentos históricos, e enlaçando à ele a história da personagem fictícia Tess Collins que travou sua luta pela sobrevivência não só durante, mas após o traumático incidente.


Não se deixe levar pelo título da obra ou somente pela capa caso você pressuponha que é um romance apelativo ou pouco engendrado; a escritora tornou esta obra única sem estar a sombra de qualquer outra criada as voltas deste evento fatídico, nem à versão cinematográfica que bem conhecemos.

A inglesa da classe baixa, Tess Collins, não contenta com sua situação de camareira, decidiu num ímpeto de coragem abandonar a vida desafortunada na Inglaterra para, assim como muitos outros, começar vida no Novo Mundo. Tendo dotes para a alta costura (dom que herdou de sua mãe), e determinação, segue para o porto de Southampton com uma bolsa apenas. Nova Iorque era o destino do grande navio que Tess embarcou às pressas, assim que conheceu a estilista Lucy Duff Gordon (personagem real), em um puro lance de sorte; conquistando sua confiança, Tess tornar-se secretária da aristocrata.

A estilista Lucy Duff-Gordon (1919)

Fato após fato vemos que as mais notórias características de Tess é a honra e a perseverança, mas ainda no navio ela vê em sua empregadora uma grande oportunidade e ambiciona crescer tanto no ramo do estilismo de moda quanto em sua posição social, e se submete aos caprichos da arrogante estilista, que mesmo não admitindo à princípio, reconhece em sua assistente um grande potencial. Um relacionamento de interesses.
Durante a viagem, enquanto deslumbrada com o luxo ao caminhar pela primeira classe do navio, Tess faz amizade com o milionário Jack Brementon e alimenta um tímido interesse pelo marinheiro Jim Bonney. Quatro dias após a partida, no dia 14 de abril, o navio é atingido por um enorme iceberg para horas depois imergir no meio do Oceano Atlântico norte.

O navio estava agora quase perpendicular ao céu noturno estrelado, uma linha vertical, pairando como uma bailarina na ponta da sapatilha. As luzes das cabines e dos deques ainda estavam acesas, e um estranho brilho verde das luzes da parte submersa do navio iluminaram o mar escuro. Era, estranhamente, uma bela visão. Pag. 64

Sir e Lady Duff-Gordon e sua secretária estão entre os sobreviventes, e juntamente com boa parte dos passageiros da primeira classe e alguns tripulantes da embarcação, aguardam o resgate catatônicos e temerosos em pequenos botes à deriva no grande e escuro oceano, que viria horas mais tarde do grande Carpathia que encontrava-se a 93km dali. Envoltos numa atmosfera de medo, luto, segredos e inquérito sobre as causas do acidente, a jornalista do Times Pinky Wade surge para cobrir as manchetes com os escândalos que se seguiram a partir dali, pois supostamente um dos botes que possuía capacidade para 40 pessoas carregava menos de 1/3 de passageiros, o que gerou rumores, controvérsias e grandes furos de reportagem.

A futilidade do mundo da moda, interesses políticos, questões sociais e morais, romance entre uma passageira e um tripulante, sonhos e ideais na Nova Iorque do início do século XX e decisivas escolhas são levantadas pela romancista que conduziu a narrativa com um imparcial olhar jornalístico à um grande desfecho.

Mais um romance histórico que me surpreendeu pelo seu teor contextual e com diálogos bem construídos, de estrutura condizente com os fatos reais e personagens com características fidedignas aos originais.

RMS Titanic (1912)

Um belo trabalho editorial, que possui algumas falhas de diagramação quase imperceptíveis, porém de um esmero artístico notável, uma história bem elaborada e transcrita, com diálogos memoráveis, e outras características dignas de um grande romance, lançados aqui no Brasil pela Editora Geração

Ficha Técnica:
Título original: The dressmaker
Autora: Kate Alcott
Tradução: Ana Carolina Mesquita
Gênero: Ficção norte-americana
Editora: Geração Editoral
Ano: 2013
Páginas: 374
Preço: 39,90

Para compartilhar esta pérola e presentar os leitores do Dose Literária, em parceria com a Geração Editorial sortearemos neste mês de junho um exemplar de A Costureira, e para concorrer confira a página Promoções.