03 junho 2013

O Nada Que Mudou Tudo - Um Vislumbre da Literatura Espanhola

Espanhol e português. Apesar de ambas as línguas terem a mesma origem, o latim, o brasileiro não tem muito interesse em aprender a língua tão parecida e, ao mesmo tempo, tão diferente da sua. Eu mesma só tive aulas de espanhol na escola no último ano, e minha faculdade, apesar de oferecer o bacharelado em tradução para espanhol, nunca conseguia fechar uma única turma para esse idioma.

Pois bem, hoje resolvi falar menos de literatura inglesa, e mais de literatura espanhola, apresento-lhes Nada, de Carmen Laforet

Ou tudo? Eis a questão.

Nada conta a história de uma jovem órfã, Andrea, uma garota que, ao completar 18 anos, deixa sua cidade natal e vai para Barcelona onde ela pretende estudar literatura. Entusiasmada com o futuro, cheia de esperança e expectativas,  logo que  chega à cidade de seus sonhos Andrea recebe o primeiro tapa na cara da família. Ninguém está esperando por ela na estação.

Porém, ela está tão feliz por finalmente estar na cidade grande que releva esse pequeno detalhe e vai sozinha para o apartamento de seus familiares. Na época em que seu avô estava vivo, aquele apartamento era símbolo de elegância, alegria, e até riqueza, entretanto, tudo mudou após sua morte.  Sujo, mal cuidado, e bagunçado, o local chega a cheirar mal, e seus habitantes são descritos quase como fantasmas (quer dizer, se fantasmas fossem sujos e fedessem).


Olá, eu sou a avó da Andrea (só que eu sou bem menos simpática).

Infelizmente para Andrea, ela divide o apartamento com sua avó fantasmagórica, seus tios, Juan e Román, a esposa de Juan, Gloria, o filho deles eeee mais uma tia, cujo nome combina com o clima do lugar: Angustias. Apartamento pequeno, fedido, pobre, bagunçado e cheio de gente, pior não fica, não é? Não. 

Cada membro da família é louco do seu jeito. Juan, por exemplo, bate na sua esposa, já Angustias, uma católica fanática, passa a maior parte do tempo perseguindo Andrea para lhe dar longos sermões. Todavia, desgraça pouca é bobagem, e Andrea também sofre na faculdade, sendo isolada por ser pobre, e só consegue fazer amizade com uma única menina, a ema Ena.

Dinheiro do Monopoly conta? Não? Só pra checar.

Ó meu Deus, o que houve com eles? Simples: a Guerra Civil. A história de Nada é contada pós-Guerra Civil, e reflete claramente os efeitos devastadores que ela teve na nação. A diferença entre o rico e o pobre ficou muito maior após o conflito, e muitos perderam tudo o que tinham. 

Apesar de tudo isso, o romance não é triste, já que a personagem principal consegue, toda esperançosa e alegre, manter a calma (e os parafusos) no meio de toda essa confusão. Um livro bom para reflexão, bom para conhecer mais sobre um lado de Barcelona, da Espanha e dos espanhóis que muitos esqueceram (graças a Vicky Cristina Barcelona, provavelmente).

Uma curiosidade: Carmen escreveu Nada aos 23 anos, e essa foi apenas a sua obra mais aclamada, considerada como um clássico do existencialismo. E você, o que fez hoje?

Bem, espero que tenham gostado do post, por hoje é só e até a próxima!

Por: Gaby