Misto-Quente, de Charles Bukowski

O velho Charles Bukowski ♥ é um escritor muito citado aqui no Dose. Eu sou apaixonada por esse velho safado desde que comecei a ouvir falar sobre ele por volta de 2008/2009 através de uma amiga. Primeiramente li trechos da obra dele, suas frases sempre me prendiam.

Conheci um pouco através da HQ Delírios Cotidianos. Mas só li o romance dele Misto-Quente um bom tempo depois. Então eu não poderia deixar passar a oportunidade de falar sobre o meu primeiro livro dele e o primeiro que indico para quem quer começar a conhecer sua obra.

Pela ordem cronológica eu acabei acertando sem saber ao começar a ler os livros do Buk por este. O fato é que boa parte da obra dele se centra no personagem Henry Chinaski que nada mais é do que seu alter-ego e quase todos seus romances são como uma biografia.

Em Misto-Quente acompanhamos a vida do Chinaski, desde sua infância até o final da adolescência e começo da vida adulta. Logo que comecei a ler eu percebi que a escrita do autor era totalmente diferente de tudo ao que eu estava acostumada, por mais que eu conhecesse trechos de sua obra eu fui pega de surpresa com a crueza do seu texto. Bukowski não perdoa ninguém, ele é direto, é sarcástico, é sujo e politicamente incorreto. Lembro que durante a leitura eu senti em vários momentos asco, isso mesmo gente, nojo! As descrições eram tão reais que eu não podia deixar de torcer o nariz em alguns momentos mas por mais novo que aquilo tudo fosse pra mim e talvez até um pouco difícil, eu segui em frente porque a história era simplesmente incrível, me prendeu mesmo.

A vida de Chinaski é narrada por ele mesmo e conta sobre sua trajetória como uma pessoa de origem alemã morando nos EUA no fim dos anos 20, pobre, com o pai autoritário e abusivo e uma mãe totalmente passiva. Chinaski conta tudo, as surras, as brigas com colegas, a adolescência difícil e agravada por sua aparência e suas descobertas durante este período.

Virou um dos meus livros preferidos dele e não poderia deixar de ser assim, por isso indico muito, sempre.

Não sabia se estava infeliz. Sentia-me miserável demais para ser infeliz.
(Charles Bukowski)

Comentários

  1. Gente, mais do que perfeição esse livro <3
    Tam, sempre quando alguém me pergunta "qual do Bukowski devo ler primeiro?" a resposta é a mesma: Misto-quente.
    Foi o segundo dele que li, o primeiro foi "Numa Fria", e foi exatamente a partir dele que me apaixonei pela escrita de Buk e decidi fazer a tattoo DON'T TRY em homenagem. :)
    Lindo lindo lindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah! Tattoo Bukowskiana é coisa linda!
      O misto-quente me pegou de jeito, gosto muito e logo logo penso em relê-lo.

      Excluir
  2. Acho que era para mim esse post haha. Sempre fui indiferente e lê-lo mas meu primo tem falado tanto que fiquei curiosa mas não sabia por onde começar.
    Agora já sei...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Que bom que acertei na postagem então ^^
      Incentivar alguém a ler um autor que gosto é uma das coisas que mais me deixa feliz. Agora que já sabe por onde começar, tem meio caminho andado.

      Excluir
  3. amo Buk, mas ainda não li esse dele... pretendo ler LOGO xD

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom demais roxinha! Tu vai ver, vai virar um de seus favoritos :P

      Excluir
  4. ELe é sexy, ele é sujo, ele é o copo de cachaça que precisamos todo dia, ele é vida,.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Bem vindo(a) ao Dose Literária.
Agradecemos seu comentário e tentaremos responde-lo assim que possível ;)