09 julho 2013

Deixa Ela Entrar, de John Ajvide Lindqvist

Quando assisti o filme "Deixa Ela Entrar", eu não sabia sobre o livro, mas quando soube eu pus na cabeça que tinha que ler porque o filme é simplesmente incrível, então o livro tinha que ser bem melhor, mas aí é está...o livro não é melhor...ele é simplesmente Maravilhoso e eu não acho que estou exagerando nem um pouco ao afirmar isso.

O livro em questão é o Deixa Ela Entrar do escritor Sueco John Ajvide Lindqvist.
Agora eu digo o porque eu gostei tanto. É um livro sobre um vampiro e uma criança. É um livro sobre pessoas e seus segredos. É um livro sobre solidão. É um livro sobre amizade e amor.

Tem de tudo ali e não há como ler essa história e ficar indiferente a tudo o que acontece nela.

A história é sobre Oskar, um garoto de doze anos que vive com a mãe no subúrbio de Blackberg em Estocolmo. A história se passa nos anos 80. E tem toda uma atmosfera sombria, fria e pesada...mas aqui não temos castelos sinistros, temos um parquinho de condomínio, escola, piscina...lugares totalmente comuns. Oskar é solitário, não tem amigos e é atormentado por um grupo de garotos da sua escola. Ele é humilhado, as vezes batem nele, mas as feridas maiores são no seu orgulho...o garoto vive sonhando em se vingar e dentro de sua cabeça tem fantasias de um dia enfrentar esses garotos e vencê-los. Sonha que é um assassino mascarado e tem um livro grande de recortes sobre assassinatos sangrentos que lê quando volta da escola enquanto se enche de doces que são sua espécie de droga entorpecente. Então ele conhece Eli, no começo ela não o quer por perto e ele logo sente que vai ser rejeitado mais uma vez, mas as coisas vão acontecendo e eles se tornam próximos e ele vai se acostumando as esquisitices de Eli até que um dia ele descobre que ela não é uma menina, ao menos não é uma criança comum. Eli é um vampiro (não estou dando spoiler, isso é destacado nas orelhas do livro e logo de início sabemos desse detalhe da história), mas também é uma criança, não brilha no sol...ela queima até virar cinzas se for exposta a ele. Se alimenta de sangue para sobreviver, é ágil e forte mas fica muito fraca e com a aparência doente quando não se alimenta. E... só pode entrar onde é convidada.

Mas essa história não é só sobre Oskar e Eli. Temos muitos outros personagens secundários mas não menos importantes. Personagens que vão nos causar toda a gama de sentimentos possíveis. Temos Hakan um pedófilo, Tommy um garoto que está se perdendo, um grupo de amigos de meia idade alcoólatras...são muitas pessoas, muitos acontecimentos, mas a história é narrada de uma maneira que em nenhum momento nos perdemos, muito pelo contrário, nos encontramos cada vez mais inseridos dentro dos diálogos, dentro das cabeças de todas essas pessoas e o escritor os incluiu na história de uma maneira que eles estão sempre se cruzando e as coisas vão ocorrendo.

Outro ponto que me chamou a atenção foi que há muito tempo eu não lia um livro sobre vampiros de tanta qualidade, tenho que admitir que depois daquela onda de "vampiros teen" que a saga crepúsculo criou, eu havia me desiludido muito por histórias com esse tema (e logo eu que fui fã alucinada por vampiros durante toda minha adolescência).

E esse livro consegue misturar a fantasia do mito sobre a existência do vampiro e temas tão atuais como: bullying, dependência de drogas e famílias desestabilizadas. Sem contar os personagens bem construídos e o fato do autor sempre citar nomes de autores suecos e bandas e outras coisas que nos geram a curiosidade de pesquisar.

É um livro único e eu não consigo imaginar alguém que termine de ler que não fique assim como eu fiquei...querendo saber o que aconteceu depois do fim da história.