Inábil Músculo - poesia

A poesia a seguir foi escrita por esta que vos fala, em tempos áureos e prolíferos, e publicado originalmente no site Central Rock, em 14/08/2008.


Maldito residente de meu peito
Esta, escrevo à vós!
Rimo se bem queres,
Impertinente abjeto algoz.

Que queres de mim, infeliz?
Por que bate sem permissão?
Devo ainda senti-lo em pulso,
Para provar-me tua repressão?

Poder teu? Ah! convenhamos
Estás certo que de vós necessito?
Se arrancado foste outrora,
E entregues à um bem querido.

Culpa tua, só tua.
Voltaste a bater, causa-me dor
Queres mesmo a rima exata?
Sabes bem que é a dor do amor.

Músculo? És tu um desgraçado!
De nada tens a perder
Certo de que causa angústia
Faz-me, rindo, fenecer.

Teu fim conheces, sim
Não, não, não vai tardar
Punhal? Ah lindo objeto
Pra sujar com o teu sangrar.

Versos pobres, depreciáveis...
Uníssono inútil, por que o enfadar?
É o que mereces, miserável
Por teu gosto em magoar.

Por Eni Miranda

Comentários

  1. Oii Eni!
    Parabéns pela poesia. Bem interessante!
    Voltei a postar no blog! Passa lá para conferir! :)

    Beijos,

    http://pitadadecultura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Gabi, obrigada!
      Vou dar uma passadinha lá sim, um beijão! ;-*

      Excluir
  2. Respostas
    1. Brigada, Pat. Tava com receio de postar, acho tão pobrinho, rsrs. Escrevi há tantos anos atrás que sequer lembro do motivo de tanta "inspiração". rsrsrs
      Beijos.

      Excluir

Postar um comentário

Bem vindo(a) ao Dose Literária.
Agradecemos seu comentário e tentaremos responde-lo assim que possível ;)