01 outubro 2013

A Megera Domada, de William Shakespeare

Uma coisa que prometi para mim esse ano, foi ler peças. Eu não tenho costume com esse tipo de literatura, mas faz tempo que eu me sentia mal com o fato de gostar tanto das adaptações de Shakespeare para o cinema sem nunca ter lido nadinha de sua obra. Então eu quis me redimir e acho que comecei da melhor maneira possível. Uma comédia.

A Megera Domada é uma peça teatral de Willian Shakespeare que conta a história de um rico fidalgo chamado Batista Minola que tem o desejo de casar suas filhas Bianca e Catarina. O problema é que se de um lado temos a filha Bianca doce, meiga e submissa do outro temos Catarina, um verdadeiro diabo de saias!
Catarina não se submete aos pretendentes e os espanta com suas palavras ferinas e gênio difícil o que faz com que seu pai se preocupe em não lhe arranjar um casamento. Sendo assim ele decide que só irá ceder a mão de Bianca (que tem muitos pretendentes) quando Catarina estiver casada.

A partir daí começam as trapalhadas da história e é uma risada atrás da outra. Lucêncio, um dos pretendentes de Bianca resolve conversar com seu amigo Petrucchio que acabou de perder o pai e está louco para casar-se e aumentar o patrimônio da família. Então o que lhe interessou desde o início foi o dote da noiva e não se deixou assustar com os comentários de Lucêncio sobre o fato dela ser uma "megera".

Petrucchio procura Batista e pede a mão de Catarina deixando o pai surpreso. Petrucchio vai apresentado a noiva e como não era de se admirar, ela o repele, mas quanto mais ela o repele mais ele diz que gosta dela e a corteja o que torna a situação muito cômica, ela dá patada de uma lado e ele diz-lhe palavras doces de outro. Por trás temos os pretendentes de Bianca armando para ficarem com ela também e as estratégias são as mais inusitadas possíveis.

O fato é que Petrucchio e Catarina se casam, mas ele não só se casa com ela, ele consegue "domar" a fera e o hilário é exatamente quando no decorrer da história vamos vendo como ele consegue essa proeza.


O bacana foi que eu senti interesse de ler essa peça  por causa de um filme teen. Acredite quem quiser, mas o que me fez sentir curiosidade de ler essa maravilhosa obra, foi o filme 10 coisas que eu odeio em você filme que vi e revi até quase decorar e que mais tarde fiquei sabendo ter pegado algumas "inspirações" da peça ;)
Claro que o filme é bem diferente pelo fato de que temos uma história moderna, com adolescentes nos dias atuais. Mas a premissa é a mesma, o filme é cheeeeio de referências a peça original.

Temos a megera (que aqui é uma adolescente feminista, que lê Sylvia Plath e ouve Bikini Kill), temos a irmã Bianca (doce? e pooopular), temos Patrick que é o cara estranho e rude que é pago para sair com a megera (Petrucchio), Cameron (Lucêncio) que se apaixona  por Bianca mas não pode tê-la porque um cara popular está de olho nela, enfim...

O fato é que Shakespeare é ótimo! E se eu suspeitava disso, agora estou certa  e quero ler mais de sua obra que de tão boa sobreviveu ao tempo e inspirou muita gente por aí...