25 março 2014

O que a vida espera da gente é um pouco de coragem...


A sinopse desse livro me confundiu um pouco, pois ela dava a entender uma coisa e quando comecei a ler a história percebi outra. Porém, isso não chegou a ser um inconveniente já que o que eu comecei a ler me chamou a atenção até mais do que eu esperava.

A história começa com Madora, que com apenas 12 anos percebera que algumas pessoas nascem com sorte e outras não e tomando isso como certo se torna rebelde depois de se notar negligenciada pela mãe após o suicídio de seu pai. A garota mora em uma pequena cidade no deserto do Arizona e cai numa vida de bebedeiras, drogas e amizades estranhas. No meio desse redemoinho que sua vida se tornou, ela conhece Willis que a seu ver a "salvou". Com 17 anos Madora foge com ele e partem da pequena cidade.

Ela vai para onde Willis quer, na corrida dele para conseguir alcançar seu sonho de ser médico. Sonho que subjuga qualquer vontade dela, mas que ela aceita por achar que um dia ele irá conseguir e formar uma família com ela...Só que com 22 anos ela agora vive com Willis no meio do deserto, isolada. Um dia, sem aviso, ele trouxe uma garota grávida para viver com eles e a prendeu em um trailer do lado da casa explicando para Madora que era para o próprio bem da garota (de nome Linda) que ela estava na rua se drogando e que ele apenas a estava ajudando a recomeçar e que Madora o ajudaria, cuidando da garota grávida enquanto ele trabalhava e juntava dinheiro para seus estudos.

Por outro lado temos Django, um garoto de 12 anos que acaba de perder seus pais em um acidente de carro e vai ter que morar com sua tia Robin (praticamente uma desconhecida para ele) e com a  personalidade um pouco fria e distante. Django sente muita falta de seus pais, principalmente de sua mãe (irmã de Robin) e tem problemas em adaptar-se a nova vida com metade de seus luxos cortados (seus pais eram ricos e famosos), sem amigos e em uma cidade pequena e entediante.

A história começa a "acontecer" quando Django um dia acaba se encontrando com Willis e devido a um incidente o garoto (que não gosta de Willis desde o primeiro momento) decide investigar mais sobre o sujeito e acaba assim se encontrando a primeira vez com Madora. Eles acabam se aproximando e tornando-se amigos devido a intensa solidão que os rodeia e essa amizade acabará mudando o rumo da vida dos dois.

A escrita de Drusilla Campbell me prendeu e apesar de eu ter demorado a pegar o ritmo nos primeiros capítulos, logo eu comecei a me situar. A narração de Adeus à Inocência é em terceira pessoa mas muito pessoal. Temos os pontos de vista de Madora, Django, Robin e alguns poucos de Willis. Esses pontos de vista não são dados em seguida e sim da maneira que a autora achou melhor para explicar certas coisas ao leitor e eu gostei desse padrão.
A personalidade dos personagens é bem desenvolvida e até os que parecem mais fracos e sem graça vão ganhando força do meio para o final do enredo, alguns deles amadurecem muito.

Alguns grifos meus:



Esse livro foi uma cortesia da Editora Novo Conceito nossa parceira.