31 agosto 2015

2001: Uma odisseia no Espaço, clássico de Sci-Fi de Arthur C. Clarke...


O título da vez é o clássico de Ficção Científica escrito por Arthur C. Clarke, e roteirizado para o cinema por Stanley Kubrick2001 - Uma odisseia no espaço, publicado pela Editora Aleph. O livro foi escrito ao mesmo tempo em que o filme era realizado, tendo o autor e o diretor contribuído de forma mútua para que a história ganhasse vida, e eis em minhas mãos essa maravilhosa obra... Sem mais delongas, à resenha...

O livro é composto de 6 partes, e logo na primeira delas nos deparamos com homens-macacos, que seriam os ancestrais da civilização hoje conhecida. Antes de uma caçada em que eles matam um leopardo e dizimam a tribo inimiga, eles se deparam com um monólito preto gigante, de origem desconhecida. Não se sabe como aquele estranho objeto surgiu ali, da noite para o dia, ou por quem foi deixado ali. Aos poucos, nota-se o desenvolvimento dos homens-macacos, desde a maneira com que se alimentam e caçam, até a forma como o próprio corpo vai se modificando ao longo das eras... 

"Nunca mais os homens-macacos tiveram de enfrentar a inanição quando seus dentes ficavam danificados ou gastos; [...] E, com a diminuição dos dentes caninos, o formato de seus rostos começou a se alterar; o focinho retrocedeu, o pesado maxilar tornou-se mais delicado, a boca passou a ser capaz de emitir sons mais sutis. A fala ainda estava a um milhão de anos de distância mas os primeiros passos em sua direção haviam sido dados."

Na sequência, nos deparamos mais uma vez com o monólito, mas desta vez o cenário é a Lua, satélite da Terra. Nota-se o futuro distante no qual a história passa a ser narrada, distante milhares de anos dos homens-macacos. O dr. Heywood Floyd viaja até a lua para ver um achado encontrado sob o terreno lunar, que foi batizado de A.M.T. - 1 [Anomalia Magnética de Tycho - Um]. Os pesquisadores e governo pretendem manter segredo do achado, pelo menos até descobrirem do que se trata de fato...

"O objeto diante do qual o homem de traje espacial estava posando era uma placa vertical de material preto, com cerca de três metros de altura e um metro e meio de largura; lembrança a Floyd, de forma um tanto lúgubre, uma lápide gigante. Perfeitamente simétrica e de bordas afiadas, era tão preta que parecia ter engolido toda a luz que caía sobre ela; não exibia nenhum detalhe na superfície. Era impossível dizer se era feita de pedra, metal ou plástico, ou de algum material completamente desconhecido ao homem."

Em outra parte do livro, a nave Discovery, tripulada com 3 homens em estado de hibernação e 2 astronautas à bordo, Frank Bowman, tem a missão de ir até Saturno, acompanhados de Hal - 9000, um computador algorítimo que com o passar da narrativa, vai adquirindo emoções humanas e sai de controle, após uma falha em seu sistema. Ele acaba sendo desativado por Bowman, depois de quase perder a vida e ter a nave praticamente destruída, e acaba descobrindo o real motivo da viagem de exploração, que seria na verdade investigar outro monólito gigante, igual ao que encontraram na Lua meses antes, e precisa descobrir sua finalidade, mesmo que seja uma viagem sem volta...

 

O livro levantas várias questões filosóficas sobre a evolução do homem, a narrativa é bem detalhada e cheia de minúcias... em vários momentos, eu conseguia mentalizar os trechos descritos sobre a galáxia e os planetas, bem como suas nuvens de poeira cósmica. O que seria o monólito? Especula-se que seja algo construído por uma forma de inteligência de pelo menos 3 milhões antes do surgimento do homem no planeta. Um Deus? Um ser alienígena? Um povo de ciência avançada e muito superior ao homem terráqueo? Uma civilização hostil? 

Outo fator interessante no livro são alguns acontecimentos citados que anos depois viriam a se concretizar, quando na época sequer se especulavam tais fatos... A ciência e a física são constantes ao longo do texto, mas não permitem uma leitura cansativa, ao contrário - abre um leque de curiosidades em quem deseja se inteirar do assunto ou que traz em si n' perguntas a respeito da formação do universo. Clarke explora bem o conceito de inteligência artificial, viagens espaciais, tecnologia avançada e o medo do desconhecido. O que nos espia para além da atmosfera terrestre? Uma pergunta que o livro nos deixa seria "Há alguém lá fora?" 

Aos aficionados por sci-fi o livro é uma ótima pedida, a leitura flui de maneira instigante e é bem desenvolvido. como bônus, há dois contos no fim do livro, A sentinela e Encontro no Alvorecer, que foram fundamentais para a construção desse clássico. Quanto a diagramação, a Editora Aleph não poderia ter feito um trabalho melhor. O livro parece um verdadeiro monólito... 
Bem, espero que tenham curtido a resenha.  Até a próxima... beijos...