04 agosto 2015

Como indicar livros para pessoas que não têm o hábito da leitura?

Gostaria de dividir com vocês uma reflexão pessoal sobre leitura. Já falamos aqui sobre diversos livros, dicas para leitura e todo esse universo que envolve literatura, mas percebi que os visitantes do blog são leitores, ou seja, pessoas que realmente têm o hábito de ler. 

Esses dias, eu me questionei: como indicar livros para pessoas que não têm o hábito da leitura?

Essa questão surgiu quando na mesma semana, duas pessoas me fizeram as seguintes perguntas: “o que te faz se interessar por algum livro?” e “minha professora pediu muita leitura, quais livros você me indica?”. E apesar de até já termos feito um post sobre isso aqui e aqui, percebi que não adiantaria indicar simplesmente uma leitura do blog, quando alguém ainda não tem qualquer intimidade ou direção no mundo dos livros.

Observei o perfil dessas duas pessoas: são mulheres com faixa de idade entre 20 e 30 anos, iniciando curso superior e que não tem costume de ler livros, revistas ou jornais. Até aí, eu as conheço superficialmente para indicar uma leitura que agradou a mim, visto que o jeito como encaramos o mundo e nossa bagagem cultural são o que influenciam em nossos gostos literários. Assim, eu poderia indicar 100 livros que EU gostei, mas o que garante que elas vão gostar ou se interessar pelos mesmos assuntos que eu?

Volto a primeira pergunta que me foi feita: O que desperta meu interesse por um livro? E depois de muito pensar, concluí:

C U R I O S I D A D E

Mas Patrícia, curiosidade todo mundo tem, olha aí as revistas de celebridades, os tabloides e etc... Só que não. Não é esse tipo de curiosidade que tenho, na verdade, é uma mistura de curiosidade com questionamentos. O interesse pelo modo como as coisas funcionam ou o interesse sobre um assunto específico me faz buscar livros que me tragam, ilustrem ou direcionem as respostas para meus questionamentos ou curiosidades.
Obviamente, as coisas que me interessam são diferentes das coisas que você se interessa, mas tentarei explicar algumas fórmulas que possam revelar como eu chego em determinado livro.

Em Patrícia e os livros, contei sobre minhas primeiras leituras e alguns livros que me marcaram, mas não expliquei como cheguei até eles...

Literatura Fantástica Medieval - as obras de Tolkien

Ouça a música The Gates of Moria - aqui

Quando eu era adolescente, a internet era algo distante. Somente grandes empresas ou pessoas ricas podiam ter o acesso à internet. Eu até tinha um computador que já fora de outro dono - com o velho sistema operacional Windows 386, mas a internet era apenas um sonho, portanto, dependíamos ainda das velhas revistas e jornais para nos manter informados sobre tudo. 
Nessa época eu estava entrando no mundo do Heavy Metal e comecei a ouvir uma banda chamada Blind Guardian com letras e capas de cd inspiradas nas obras de J.R.R Tolkien, mitologia e batalhas em geral. Como eu adorava as músicas, tentava traduzir (com dicionário escolar) algumas letras ou conseguia traduções através das revistas especializadas, mas não entendia nada. Que mundo é aquele? Que nomes são esses? E  foi numa entrevista com a banda que descobri que se tratavam de livros de um respeitado escritor na Inglaterra. Fui atrás, eu tinha que ler esses livros! Porém, naquela época as coisas eram um pouquinho mais difíceis... Não encontrei os livros em nenhuma biblioteca que eu conhecia e eram caros demais. Poucos anos depois, surgiu o boato das adaptações dos livros para o cinema e fiquei super empolgada! Graças a esses boatos, os livros de Tolkien começaram a ficar mais populares e pedi aos meus pais de presente de aniversário.
A partir destas leituras meu mundo mudou, virei fã, queria ler tudo que fosse do autor e li vários. Assisti aos filmes e chorei de emoção ao ver que tudo que eu imaginei quando lia os livros eram muito parecidos com as cenas dos filmes. Resumindo:


Literatura inglesa e norte-americana


Quando estamos aprendendo um novo idioma, além do vocabulário, é muito importante aprender a cultura do país/região do idioma. Aprendi com a tradução que absorver e entender a cultura do país é essencial para melhor aprendizado e adaptação. Gosto e estou aprendendo inglês e isso me inspira na busca por livros sobre o tema e claro, o interesse na literatura inglesa e norte-americana.
Sabemos que a literatura é um retrato artístico da cultura e dos costumes de uma sociedade. A história, o comportamento do povo, a política e tudo mais estão nas obras literárias. Escritores como Shakespeare, Charles Dickens, Jane Austen, D.H Lawrence e outros conseguiram externar emoções e costumes que refletem até os dias de hoje. 
Mundo - Notícias


Atentado ao World Trade Center - Nova Yorque - 2001

Eu nunca tinha ouvido falar no Afeganistão, além de um ponto no mapa das aulas de geografia. Foi o episódio de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos que passei a enxergar a cultura muçulmana e tentar entender um pouquinho de toda essa guerra até hoje. O escritor afegão Khaled Hosseini trouxe um pouco da sua visão sobre os costumes do próprio país através das obras O Caçador de Pipas e A Cidade do Sol que comentei neste post chamado Afeganistão

Outras referências

Além da música ou notícia,  outras coisas podem trazer referências e direção para a escolha de um livro. Hoje em dia é muito mais fácil encontrar resenhas e opiniões sobre diversos tipos de livros, mas só o seu interesse é que conta. Seu interesse e o quanto você se identifica com algo, o quanto algo tocou seus sentimentos - sua alma.
Os três exemplos acima foram bem simplórios porque algumas pessoas podem ter motivos e inspirações mais complexas para a escolha de um livro. Mas em resumo, digo que...


Uma coisa leva à outra...





Não sei se minha "fórmula" vai funcionar com outras pessoas, não sei se isso tudo que escrevi é o suficiente para alguém escolher um livro. Por isso, gostaria de saber a opinião de vocês. Comente por aqui ou mande seu texto explicando como você indicaria livros para pessoas que não têm costume de ler. 

Posts relacionados: