19 dezembro 2015

Ladders to Fire [Fome de Amor], de Anaïs Nin

"Seus corpos roçaram-se e separaram-se, como se ambas tivessem tocado um espelho, suas próprias imagens no espelho. Haviam sentido a parede fria, o espelho que nunca aparecia nas suas relações com os homens. Sabina havia apenas tocado a sua própria juventude e Lilian a liberdade de suas paixões."

Ladders to fire, ou Fome de Amor, como foi traduzido aqui no Brasil, é uma novela escrita por Anaïs Nin no final da década de 1930, trazendo à tona três personagens: Lilian, Sabina e Djuna. O livro é o primeiro de cinco novelas do volume Cities of the Interior, publicados de forma separada entre as décadas de 1940 e 1950. 

A obra explora a psiquê da mulher de maneira profunda e intensa, jamais explorada antes na ficção. Fome de amor está longe do que chamamos de escrita amarrada, apesar da narrativa realista e clássica. As mulheres descritas no livro são como elementos da natureza, descritas com tal fogo e ardência que inebriam o leitor ávido e faminto de erotismo. Lilian seria ligada à terra, mas anseia pelo fogo da paixão; não sem antes descer ao tormento de sua existência...

Djuna seria representada pela água e ar, cruzando de maneira melancólica, quase estática, as águas do Sena, dividindo seu barco com Rango. Não há progresso em sua travessia... Mas quando ela tenta afundar o 'barco', surge uma espécie de 'batismo'... Sabina representa o fogo e o movimento, mas ao fim do livros se mostra exausta de tudo... Ela não suporta mais voar de um homem para o outro...

Em Fome de amor, a autora faz com que as pessoas do mesmo sexo busquem entre si uma forma de fortalecer o próprio 'eu' por meio da identificação intensa com o outro ser. Em cada relação há o risco da parte mais fraca mostrar-se submissa ao elo mais forte. Mas se ambos mantiverem o que há de mais autêntico em suas existências, os dois lados hão de se desenvolver...

Ao longo da leitura, senti uma grande identificação com Lilian. Eu me envolveria com ela...

"Num laboratório teria causado explosões. Na vida ela as causava e ficava, ao final de tudo, agastada com os danos. Então ela iria rapidamente dar um jeito de reparar a devastação, pela frase mal dita, a honestidade fatal, o ato impetuoso, a cena devastadora, o ataque explosivo e catastrófico."

Em suma, é uma leitura diferente dos contos de Nin que eu já estou habituada, mas esse fator não torna a obra menos importante que as demais... Espero que tenham gostado... Leitura recomendada para quem aprecia um bom estudo sobre as mulheres, partindo de uma perspectiva erótica, de relações homoafetivas... 

"Sabina olhava para a brancura do corpo de Lilian como num espelho e via-se como menina, no início de sua vida - sem manchas, sem marcas. Queria retornar a seu ser primitivo. Lilian queria penetrar no labirinto de conhecimento, bem no fundo dos poços violetas.
Na floresta pungente de seu ser havia uma abertura vulnerável. Lilian penetrou com suavidade. Carícias, invasões de mariposas, mirra entre os seios, incenso em suas bocas."