28 março 2016

A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón

Marina foi o primeiro livro do escritor Carlos Ruiz Zafón que li. Foi amor a primeira lida. Mas o a Sombra do Vento foi pra mim um reforço, uma comprovação de que esse escritor não brinca em serviço e que em se tratando de criar uma história maravilhosa, é com ele mesmo.

A história começa em 1945 quando Daniel Sempere nosso protagonista de 10 anos e pouco acorda aflito por não lembra-se do rosto de sua mãe já morta e seu pai revolve contar, na verdade mostrar, um segredo que mais ou menos com sua idade seu pai lhe mostrara. O cemitério dos livros esquecidos. Um local em Barcelona, uma biblioteca, onde ficam guardadas todas obras de autores que sumiram com o tempo, que pararam de circular. O garoto escolhe um livro chamado a Sombra do vento, esse livro vai acabar por mudar toda a sua vida.
O mistério de tudo começa porque Daniel ao tentar saber mais sobre seu autor Julían Carax, descobre que o mesmo pouco sucesso fez e que seus poucos romances começaram a ser queimadas por um estranho homem sem rosto...devido a isso a vida do garoto passa a correr perigo pois o único livro que resta do autor é esse que está em sua posse.
Ao mesmo tempo disso vamos vivendo junto com Daniel, acompanhando seu crescimento e sua vida, também o seu amor platônico por Clara Barceló.

O ambiente desse romance é todo propenso para suspense, as descrições de Barcelona, a guerra, tudo serve de um plano de fundo perfeito para a atmosfera da história. 
O mistério que ronda a tudo isso é bem denso, Zafón é mestre quando se trata de criar várias histórias dentro umas das outras, entrelaça-las e no fim fazer tudo se encaixar perfeitamente sem nem um furo.
Temos personagem muito bem construídos, cheio de dilemas, com passados obscuros e que emocionam e fazem o leitor se identificar ou odiar.
E por fim claro, a escrita, poética e cheia de figuras de linguagem que deixam tudo quase que palpável ao leitor. Perfeito!

Acho muito difícil falar desse livro sem entregar mais do que devo e acho absurda a ideia de estragar essa história para alguém, porque, acho que quem chegar a ler, tem que ser como eu, sem saber quase nada para ser pego nas surpresas e reviravoltas. 
O bacana é que o livro faz parte de uma série sendo que esse é o primeiro, no entanto, não há necessidade de ler na ordem para que haja um entendimento da história (só se quiser mesmo). 
Por agora só posso dizer que indico, é um livro obrigatório para os amantes da boa literatura!