30 outubro 2016

O Bebê de Rosemary, de Ira Levin




O Bebê de Rosemary é um dos livros de terror que eu mais tinha vontade de ler há muito tempo...Sou fascinada pela adaptação para filme do diretor Roman Polanski e até hoje é um dos que me mete mais medo, mas ainda não havia chegado a ler o livro que o originou.

Esse livro foi escrito por Ira Levin em 1967. A história é narrada em terceira pessoa e conta a vida comum de Rosemary e Guy Woodhouse, os dois são um jovem casal que está a procura de uma casa para formar família pois o sonho de Rosemary é ter um bebê.
Os dois acabam por encontrar um apartamento que acreditam ser perfeito para suas exigências, necessitando apenas de algumas reformas...o problema aqui é que o edifício onde eles pretendem morar, o Bramford, tem uma fama terrível devido a vários suicídios ocorridos no local, assassinatos e até boatos de reuniões de seitas satânicas. Quem alerta a Rosemary sobre esses fatos é seu amigo Hutch, um personagem muito bacana do qual eu me simpatizei logo.
Claro que para essa história ter tomado o rumo que tomou, Rô não deu ouvidos ao amigo e logo ela e Guy mudaram para o tal apartamento.
O local em si não parece ter problema nenhum, durante seus primeiros dias com exceção do porão onde lava as roupas Rosemary não nota nada assustador ou anormal no prédio. As coisas só começam ficar estranhas depois que ela conhece uma moça que mora no apartamento ao lado, Terry que é convidada de um casal de idosos que nossa protagonista não conhece ainda mas que mora ao lado de sua casa. No entanto algo terrível acontece com Terry o que faz com que Rose e Guy conheçam Minnie e Roman Castevet.
Esses idosos acabam se tornando muito próximos a eles, de certa forma a contragosto de Rosemary que os acha um pouco metidos demais, no entanto seu marido os adora. 

Uma pausa aqui pra comentar que Guy é um dos personagens mais insuportáveis que tive o desprazer de ler até hoje! O cara é egoísta, egocêntrico, um chato! 
Mas retornando ao assunto...por ser um ator em busca do papel que o tratá fama Guy é um tanto frustrado no seu trabalho por ainda não ter conseguido alcançar seu objetivo, coisa que muda do dia para a noite depois que ele recebe uma certa ligação.
Depois disso as coisas só pioram, os vizinhos cada vez mais intrometidos, ela acha cada vez mais estranho os barulhos que ouve no apartamento ao lado e no dia em que ela e Guy escolhem para conceber seu primeiro filho, Rosemary adormece e tem pesadelos onde é abusada por um demônio...

O livro não é um terror pesado em si, cheio de sangue. É mais um terror psicológico, uma história perturbadora que nos faz entrar na pele da personagem e querer entender o que está acontecendo a sua volta. 
Gostei da Rosemary porque ela começa como uma personagem bem bobinha, toda submissa e dependente do marido e cresce com o desenrolar dos capítulos. 
O que me perturba até hoje é o final da história que claro, não posso comentar mas acho assustador...

Acho que a única coisa que não me fez dar uma nota maior ao livro, é o fato de que mesmo o filme e livro sendo basicamente idênticos, o filme me passou mais aquela atmosfera de temor e paranoia. Mesmo assim o livro é totalmente válido.