17 novembro 2017

Leonardo da Vinci, de Michael Cox e Clive Goddard

Na última quarta, 15, os ultrabilionários brigaram com foices de diamante pelo quadro mais caro da história: vendido por US$ 450,3 milhões, cerca de R$ 1,5 bilhão. Trata-se de "Salvator Mundi", pintura do italiano Leonardo da Vinci, pintor e mil outras coisas, além de gênio, claro. 

De origem humilde, da Vinci foi autodidata e exemplo vivo de que "gênio é intensidade", como dizia Balzac (mais para convencer a si mesmo do que pela intenção do próprio aforismo). Leonardo é merecidamente cultuado até hoje. O quadro astronômico sempre esteve nas mãos da nobreza - que, aliás, segura tudo e todos amarrados em suas balanças medidoras. Dias atrás, antes do leilão faraônico acontecer, eu terminava de ler esse livrinho super agradável da coleção Mortos de Fama. Nele, é possível conhecer de forma lúdica a trajetória e as invenções do mestre Da Vinci. 

Mesclando texto e quadrinho, o livro apresenta a vida - e descobertas - de Leonardo desde que era um aprendiz no ateliê Verrocchio até seu trabalho financiado pelo mecenato. Há também um interessante contexto histórico da época e o destaque para a atuação de da Vinci como matemático, engenheiro, anatomista e inventor.

Provável que o grande gênio italiano ficasse feliz com o reconhecimento de seu trabalho mas, quem sabe, a fama estaria em um patamar secundário frente a um supercérebro sedento por criações. A leitura dessa edição é um prazer! Divirta-se!

***

Informações:

Livro: Leonardo da Vinci e seu supercérebro
Autor: Michael Cox
Ilustrador: Clive Goddard
Tradutor: Eduardo Brandão
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2004
Páginas: 176
Preço médio: R$ 37,90